II Maratona Literária #EUSOUDOIDEIRA



As coisas acontecem. De repente vem o desafio. Mais um.

Eu aceitei o desafio de participar da II Maratona Literária #EuSouDoideira , promovida pelos blogs Caneirismo e Fluffy

Cheguei a participar da primeira, mas falhei consideravelmente. Dos 7 livros propostos só conseguir ler 3 e iniciar dois que ainda não conseguir terminar. As resenhas de dois desses livros já estão publicadas e vocês conferi no links ao final deste post.

Assim sendo, decidir participar da segunda, sabendo que agora eu estou de férias e quero aproveita-las ao máximo.
"Maratona é para divertir e ajudar naquela fila imensa de livros não lidos que temos. Eu mesmo, to lotado de livros não lidos e estou quase arrancando um fio de cabelo por cada livro não lido – o que me leva a ficar careca ou calvo!
Mas para adocicar a Maratona, fizemos uma regrinha especial! Cada livro deverá ter uma música para si no final de cada leitura. Divertido, não? Acabou a leitura? Escolha uma música que mais se adeque a esse livro!" (CANEIRISMO)
E meus livros já estão escolhidos. A ordem pode mudar conforme a maratona que durará 15 dias. 
Vou apresentar a vocês os 5 livros selecionados e motivo pelo eu os escolhi.


1- "Como Deus Cura a Dor" de Mark W. Baker.


Aprendi com Nina Sankovitch em sua obra "O Ano da Leitura Mágica", que "as pessoas compartilham os livros que amam. Elas querem espalhar para os amigos [...] a sensação boa que sentiram ao ler o livro ou as ideias que encontraram nas páginas delas. [...] está tentando compartilhar o mesmo entusiasmo, prazer, medo e ansiedade que experimentou ao ler" (pag.99). 
Este livro é uma obra que um amigo quis compartilhar comigo. Acredito que ele tenha sido muito importante para ele e assim sendo acredito que será de grande valia para mim também. Falou tão bem dele que minha vontade de lê-lo está em 100%. 
O Livro trata-se de um estudo de como a fé e a psicologia nos dão força para superar o sofrimento e aumentam nossa resistência emocional. Fala sobre nosso interior e seus conflitos.

2- "A Probabilidade Estatística do Amor à primeira vista" de Jennifer E. Smith


Existem livros que simplesmente te chamam. Vi esta obra primeiramente em inglês em um blog e me encantei com a história, mas fiquei meio na dúvida se um dia conseguiria ler ou se estava mesmo querendo lê-lo. Um dia encontrei ele por um preço super acessível e comprei. Me chamou na hora. É um que quero muito ler e mergulhar profundamente, estou com medo por está ansioso por ele. 
É um romance bem curto, mas que parece ser bem interessante e envolvente.

3- "A Esperança" de Suzanne Collins


Recentemente estou terminando ler o livro "Em Chamas", talvez quando você estiver lendo este post, eu já esteja finalizado a leitura deste, logo é óbvio que ansiedade pelo desfecho de toda a trilogia "Jogos Vorazes" vai acontecer. Esse foi um dos motivos que inserir esta obra na maratona e também pelo fato de o filme está na porta, eu gostaria muito de ler o livro antes de assistir ao filme. 
Esta obra para mim é um das mais importantes desta década e com certeza é um distopia que será lembrada por muitos e muitos anos, é capaz de no futuro ser um clássico. Não é uma obra qualquer, pelo menos é minha opinião como leitor. Claro, preciso intensamente saber o final.

4- "Diário de um Banana: A Verdade nua e Crua" de Jeff Kinney


Está virando tradição. Esta é a minha quarta maratona literária. Em todas existe um livro contando as aventuras Greg Heffley. Desta vez, seguindo na sequência é a vez do quinto livro da série. O Quarto não atingiu as minhas expectativas, é legal, mas tanto quando o terceiro. Falarei mais na resenha que sai muito em breve. 
Sou um grande fã da série. Sempre os coloco pois me relaxam, fazem rir, me ensinam na arte de ironizar.
Vocês já podem conferir as resenhas dos três primeiros livros:

LIVRO 1                 LIVRO 2             LIVRO 3 

5- "O Tempo e o Vento: O Continente II" de Érico Veríssimo.


Para aqueles que me conhecem. E também aqueles que me acompanham desde o ano passado, sabem que a obra "O Tempo e o vento" me cativou de surpresa. Foi eleito, por mim, ano passado como o melhor livro, melhor leitura do ano. E escolhi então a sequência da obra que ainda possui  7 livros. Quem sabe outra obra de Veríssimo é eleita por mim uma das melhores leituras do ano. Eu não tenho muitas dúvidas, será um livro que amarei ler.
Quem quiser conferir a resenha do primeiro livro, CLIQUE AQUI! 
Confira a RETROSPECTIVA 2013 e saiba mais.

Sou um cara confiante, logo pensando que talvez a leitura flua rápido demais e ainda sobrem dias de leitura da maratona escolhi dois livros bônus, caso isso ocorra.
Os Livros escolhidos foram:

1- "Theodore Bonne: O Sequestro" de John Grisham


Na minha primeira maratona o primeiro livro desta série me surpreendeu e escolhi a sequência para deixar de reserva na maratona. Mas, mesmo que não aconteça será uma das minhas próximas leituras.
Vocês podem conferir a resenha do primeiro livro clicando AQUI!

2- "Amazônia - O Arquivo das Almas" de Paul Fabien


Na verdade, seria para terminar esta obra que estou lendo a um certo tempo. É uma aventura e seria interessante terminá-la na maratona, quem sabe. Mas, assim como o anterior, é uma das minhas próximas leituras.

Será uma aventura e tanto. E estarei compartilhando essa experiência ao longo de todos os 15 dias no blog, no nossa página no facebook e no twitter. 
Vocês ainda podem participar, confira como no blog Caneirismo: http://carneirismo.com/participe-da-ii-maratona-literaria-eusoudoideira/

E ai vão participar? Que livros escolheram? 
Vai ser muito louco!!!
Mais de Gênio e Louco todo mundo tem um pouco!
Até!!

Por Jônatas Amaral

P.S. Confira as resenhas dos livros da I Maratona Literária #EUSOUDOIDEIRA


 


[RESENHA] "O Menino do Pijama Listrado" de John Boyne



Em nossa época talvez jamais presenciemos algo tão cruel e ao mesmo tempo transformador como a 2º Guerra Mundial. Uma guerra que destruiu muito, mas também construiu um mundo diferente, ainda há reflexos dela nos dias atuais.

“O Menino do Pijama listrado” de John Boyne, não é mais um livro sobre esta guerra, mas um livro para refletir sobre ela e sobre nossos dias atuais. Será que em determinados pontos mudamos?

Através da história Bruno, um garoto de 7 anos, o autor imortalizara a amizade entre dois garotos iguais e distintos, em um momento que se buscava uma raça pura em quem não se se encaixa nela era descartada. Bruno é obrigado a se mudar com a família para uma casa longe de tudo o que lhe fazia feliz. Da aventura. Dos amigos. Mas, é através de Shmuel que uma história singela torna-se brilhante.

O autor escreveu este livro em dois dias e meio, mas é impressionante como em tão pouco tempo ele conseguiu criar imagens, sequencias, conseguiu introduzir tantas palavras com tantos significados. Palavras tão simples, mas com tanto a extrair delas. É uma história tão marcante e tão confrontante ao mesmo tempo em que é simples, sem ser simplória.

Quando Bruno conhece Shmuel, a vida na nova casa muda. O sentido da vida dele é transformado, pois ali há algo a ser explorado. Acredito que olhar pelos os olhos de duas crianças um período tão cruel é uma das maiores ideias da contemporaneidade. Ver o quanto duas crianças veem mais que olhos adultos.

A frase ilustra bem, como tudo parecia um tanto sem noção para aquela criança. Ao utilizarem a expressão exigida naquela época na Alemanha, veja como Bruno a entende:

“Heil Hitler - disse, o que bruno presumia ser outra forma de dizer: ‘bem até logo, tenha uma boa tarde.’” (Pag. 53)

Nesta história possuímos personagens que carregam significados marcantes. Temos personagens que veem o que está diante dos olhos deles e outros que os fecham por puro convencimento e não vontade de questionar.

Maria a empregada, nada pode fazer, mas o que não quer dizer que pense como todos. A mãe de Bruno, é obrigada a fazer o que lhe mandam, mas possui neste livro uma das cenas mais belas. A Avó de Bruno ver com a razão e com a emoção bem dosadas e até no fim de sua aparição é carregada de significados. 
O pai de Bruno é um general, ao assim... Ele é ordenado a fazer algo, mas não questiona aquilo, faz porque mandam. Por que foi convencido que aquilo era certo. De que aquilo era o conserto de uma história. É horrível ler isto.

Bruno e Shmuel são as essências da pureza. Duas crianças, dois futuros. Eles são os que mais questionam o que acontecem por acharem tão absurdo tudo aquilo e não entenderem.

Gostaria de destacar em Bruno, que mesmo que eles venham a desempenhar um papel, de certo, questionador, o autor não abre mão de ressalta a criação dele. Mesmo que possua ideias que podem transformar aquele mundo, se todos pensassem da mesma forma, ele não deixa de ter atitudes fúteis, a dar importância a coisas fúteis, não o culpe... Olhemos pela criação dele, ele nem mesmo sabe quem são os judeus, nem o que eles estão enfrentando. Isso é brilhante, porque não coloca os personagens no lugar de bonzinhos ou maldosos, mas sim como seres humanos.

Quando Shmuel e Bruno se tocam pela primeira vez, num aperto de mão por entre as cercas é de emocionar, pois pela primeira vez temos a união de dois povos unidos. São cenas como essas que nos transformam durante a leitura. Que nos fazem refletir no hoje será que deixamos de ser preconceituosos, não apenas em relação ao preconceito racial, de orientação sexual, de crenças, mas sim em relação a tudo, até que ponto nós aprendemos que “temos que concordar em discordar” (pag. 102)


Uma frase que não saiu da minha cabeça ao terminar a leitura, foi um questionamento de Bruno, na primeira conversa mais franca com a irmã, no qual ele diz:

“ ‘Não”, disse bruno, ‘não entendo porque não podemos ir ao outro lado. O que há de tão errado conosco a ponto de não podemos ir ao outro lado da cerca e brincar?’” (pag. 158)

Note que eles são alemães. Note que ele usa palavra conosco. Deixo que reflitam.

“ ‘Qual era a diferença, exatamente”? ’, ele se perguntou. E quem decidia quem usava os pijamas e quem usava os uniformes? (Pag.91)
É emocionante escrever sobre esse livro, não tenho como simplesmente negar a emoção que ele me propicia e nem como ele me faz pensar racionalmente também. Pouco importa aqui uma opinião critica sobre a edição, ou seja, lá que for, diante de uma obra como essa isso é coisa fútil. Diante dessas palavras. 

Se todos puderem mergulhar nessas páginas algumas vezes na vida, não será em vão. Crescemos um pouco quando lemos a ultima frase desta obra.



Não conseguir vencer a Maratona Literária #EuSouDoideira, conseguir ler apenas 3 livros. E este fazia parte desta maratona e foi o segundo livro que li.
Para este livro escolhi uma canção que pode expressar um pouco de algumas ideias que o livro me ajudou a me aprofundar. A questão do ver e não fazer nada. O mundo está cheio de imagens, de sons, de palavras, mas que não são vistas, que não ouvidas, que não são ditas. Isso tem muito a haver com esta história

"Rookmaaker" de Palavrantiga (versão acústica)


Por Jônatas Amaral

[#BRASILCOPA2014] Lembranças da Copa #1 - Maquetes dos Estádios



Copa do Mundo só ocorre uma vez a cada quatro anos. Este ano de 2014, está ocorrendo no Brasil a 20º edição deste evento que une diversos países em um único lugar. Mas, tudo passa e delas só ficam as lembranças. Um país é campeão e leva na sua camisa um estrela a mais. Tudo que fica são as lembranças. Os momentos. As fotografias. AS memórias.

Sou um cara de 19 anos. Não vivi muitas copas. Para ser mais exato esta é a minha 5 copa do mundo. Em 1998 tinha 3 anos de idade, nem sabia o que era uma copa do mundo. 2002, nossa como me lembro até daquela copa. Brasil foi Pentacampeão. Tenho uma foto daquele dia. Tenho muitas lembranças daquele dia. 2006, a enorme decepção. 2010, trouxe grandes alegrias e tristezas. Deixou lembranças, até mesmo materiais. 
Agora em 2014, eu mais maduro. Acredito que saberei guardar cada momento.
E para essas lembranças esse post especial foi criado. 
Ao longo da Copa, mostrarei algumas lembranças imatérias e principalmente matérias que me ajudam a guardar e marcar para sempre a minhas histórias com as copas do mundo.

Neste primeiro post falarei sobre lembranças recentes. As Maquetes dos Estádios da Copa do Mundo no Brasil. Não todos, apenas 6, mas que valem a pena.

Confira:


O Jornal Diário do Pará, é um dos mais importantes jornais aqui do Pará. O meu jornal favorito. Esse meu favoritismo também é cada vez mais cultivado porque ele sempre traz novidades para os leitores. Ano passado, durante a copa das confederações o "Diário do Pará", trouxe encartado maquetes dos estádios que receberiam os jogos das Copas da Confederações e agora da Copa do Mundo. 
Esse Projeto foi um parceria do jornal com a Universidade Federal do Pará - Faculdade de Arquitetura e Os Governos dos Estados das Cidades Sedes.

Estes estados foram montados pelo meu pai com uma leve ajuda minha. São verdadeiras artes. Parabéns aos realizadores deste projeto. Hoje eles fazem parte da decoração e serão guardados sempre como uma lembrança destes eventos e dos momentos ao lado do meu pai.


Arena Castelão - Fortaleza

A Arena Castelão fica em Fortaleza. E um dos principais estádios do Nordeste e com certeza ainda verá grandes clássicos do futebol brasileiro. Este estádio irá receber o segundo jogo do Brasil na Copa, que será contra a Seleção do México. E talvez receba, dependendo do resultado, novamente o Brasil nas oitavas de Final. O Estádio tem capacidade de 60.348 pessoas. 
Site Oficial


Site Oficial
Arena Pernambuco - Recife
A Arena Pernambuco fica em Recife. Com capacidade 42.583 pessoas, irá receber jogos de grandes seleções: Itália, Alemanha, EUA, Costa do Marfim, Japão, Croácia e México. É um estádio Belíssimo, que se destaca por sua acústica e com a proximidade do público ao campo. O Estádio vai receber um dos jogos das Oitavas de Final.


SITE OFICIAL
Estádio Mineirão - BH/Minas Gerais

Um dos mais importantes estádios do Brasil, O Mineirão em BH – Minas Gerais, Irá receber jogos das seleções da Colômbia, Grécia, Bélgica, Argélia, Argentina, Irã, Costa Rica, Inglaterra. E Também jogos das Oitavas de final e também um jogo da Semifinal (Brasil talvez jogue neste estádio, nestas fases). O Estádio tem capacidade 58.259 pessoas. A fachada deste estádio é tombado pelo Conselho do Patrimônio Histórico de Belo Horizonte. Ele foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. 


Site Oficial
Estádio Nacional de Brasília - Mané Garricha
O Estádio Nacional de Brasília – Mané Garrincha, é dos estádios com maior capacidade projetados para esta Copa do mundo, 69.432 pessoas, perdendo apenas para o Maracanã. Ele tem como nome uma homenagem a um dos maiores jogadores de futebol do Brasil, Garrincha. Ele será palco dos jogos das seleções da Suíça, Equador, Colômbia, Costa do Marfim, Portugal, Gana, também Brasil e Camarões (23/06 ás 17hs). Também receberá os jogos das oitavas de final, Quartas de final e a disputa do 3º lugar na copa. 



Arena Fonte Nova - Salvador/Ba

Estádio Fonte Nova em Salvador já foi palco nesta copa do mundo de um clássico e de uma revanche histórica entre Espanha e Holanda. Esta foi a final da copa de 2010, que se repetiu logo no primeiro jogo das seleções nesta copa. Holanda, que perdeu na copa passada para adversária,  veio e goleou a Espanha. O Estádio ainda vai receber jogos das seleções Alemanha, Portugal, Suíça, França, Bósnia, Irã. Além de um jogo das Oitavas e um das Quartas de final. Ele possui capacidade 51.708 Pessoas. 
SITE OFICIAL 
Estádio do Maracanã - Rio de Janeiro/RJ

Um dos mais famosos estádios do mundo. Um dos mais importantes do Brasil, ganhou novos ares. Um dos mais bonitos já feitos. Um das maquetes mais bonitas. O Estádio do Maracanã no Rio de Janeiro é o maior em capacidade de pessoas, 76.689. Será palco de jogos de Argentina, Bósnia, Espanha, Chile, Bélgica, Rússia, Equador e França. Além de jogos das Oitavas e Quartas de final, e claro, não podia deixar de ser, receberá o jogo da Final da Copa do Mundo. 

Esperamos grandemente encontrar o Brasil nesta final. Ele será palco depois da copa de grandes clássicos do futebol brasileiro e de grandes eventos, com toda certeza. Quero um dia pisar neste estádio tão especial.



A Copa do Mundo de 2014 está só no inicio e com toda certeza ainda trará grandes recordações no futuro. Ainda fará milhares de pessoas vivenciar momentos fantásticos.



Espero que tenham gostado deste post, pois acredite para mim foi um grande prazer e diversão apresentar esta minha coleção para vocês. 
Deixei nos comentários uma de suas melhores lembranças da copa. Existe algo material que você tenha que foi marcante e faz você lembrar das copas passadas ou mesmo elementos que faram desta copa inesquecível, se sim, mande para nós e conte sua história, teremos o maior prazer de publica-la. Fico no aguardo.

Envie para o e-mail: jonatas.ma@yahoo.com.br
Ou para nossa página no facebook: https://www.facebook.com/AlmaCritica
Com seu nome, idade e estado.

Até mais!!

#SomosUm


Por Jônatas Amaral

[#BrasilCopa2014] Somos Todos Um! We are One!

Brasil Croácia

Temos que ser um.

Durante meses este desejo foi divulgado por todas as mídias possíveis. A copa do mundo de 2014 nos traz tal desejo supremo como tema: Nós Somos Um - We are One!

Algo que o futebol, ainda mais evidente nas Copas, traz é essa união de raças, países, línguas, costumes... Em um único lugar. Todos unidos. Vencer é o objetivo. É uma forma de dizer ao mundo: Veja como podemos unir, viver em paz, mesmo com as batalhas e os problemas. O esporte é isso: saber vencer, saber perder, aprender a batalhar com honra.

Há aqueles que não veem a grandiosidade deste tema; são tão egocêntricos e orgulhosos que aceitar que precisamos dos outros é inadmissível. Isso é lastimável.

Levanto a bandeira da paz. Levanto a bandeira da consciência. Levanto a Bandeira da emoção. Levante a bandeira do altruísmo.


Todo brasileiro tem na veia um pouco do espírito de batalhador, de guerreiro, talvez seja por isso que existe um grande amor pelo Esporte, neste país. Ele não desiste até o último minuto, mas precisamos aprender que para alcançarmos nossos objetivos é preciso raça, mas também preciso estratégia.

Protestos? Não protestes contra. Proteste a favor. Proteste na hora certa. Analise. Reveja. Saiba onde e quando “gritar”.

Sejamos felizes na copa do mundo . É no Brasil! É festa! Vamos aprender com ela. Se houve problemas até aqui, vamos analisar quais foram os erros e tentar concerta-los. Um voto no futuro é uma boa arma para mudar as coisas. Que neste espetáculo chamado World Cup, possamos viver harmoniosamente nas duas extremidades do ser humano: emoção e razão.


Quando a bola rolar. Quando ela parar. Quando ela VOAR! Possamos lembrar e gritar #SOMOSUM! E seguir juntos para o objetivo final.


Por Jônatas Amaral





[FILME] “A Culpa é das estrelas” (2014)

Augustus Walters Hazel Grace Shailene Woodley Ansel Elgort


Há inúmeras possibilidades de ler uma obra literária. Há diversas formas de assistir, apreciar e apreender um filme. Logo, aqui não transmitirei uma leitura, uma opinião final e conclusiva, muito menos buscarei a técnica. Acredito que sendo assim, conseguirei colocar melhor em palavras uma das minhas visões sobre este filme por mim tão esperado e hoje tão amado.

Quando li pela primeira vez o livro de John Green, o apreciei, aprendi, questionei... É hoje um das minhas melhores experiências literárias. 

A filosofia e a narrativa levaram-me para muito além das palavras cravadas no papel, me fez delirar no verbo e adquirir daquela obra momentos e ensinamentos preciosos. Para resumir, tal livro tornou-se uma das obras que figuram minha lista de favoritos. Confira a minha resenha completa AQUI!

Comics Poster filme

Um grande sucesso literário é logo visto como uma excelente aposta para um sucesso cinematográfico. A Fox traz ao cinema, assim, uma das adaptações mais fiéis e delicadas dos últimos tempos.

Ao adentrar no cinema; tudo escurecer; a euforia começar e as primeiras cenas começarem a serem rodadas diante dos meus olhos, a minha impressão foram de ter entrado na minha própria mente ao ler o livro. Visualizado tudo aquilo que eu imaginei de uma forma tão linda. Emocionei-me nas pequenas e sutis frases. Derramei lágrima de prazer e alegria. Sentir profunda tristeza junto com cada personagem.

The Fault of Our Stars A Culpa é das estrelas

O filme possui atores extremamente talentosos e entregues aos seus personagens, principalmente Shailene Woodley que como disse uma, também, amante da obra: “A perfeita Hazel Grace Lancaster”. Com cada olhar e gesto, com toda certeza, este personagem será um dos mais marcantes e lembrados da carreira dessa moça.

Augustus é uma personagem brilhante; vê-lo ganhar vida na tela foi um determinado sonho realizado. Nunca me apeguei tanto a um personagem, desde 2006, com o Max de “A Menina que Roubava Livros” de Marcuz Zusak. Ansel Elgort que teve essa missão de dar vida a Augustus conseguiu estabelecer uma interpretação caprichosa, de pelo menos uma faceta do Gus, que seria o lado com vontade de viver, a ironia, o sorriso, toda a fome de vida. Porém, nos momentos mais dramáticos, apenas em um momento ele conseguiu (lembrando que isso na minha visão) me transmitir, neste ponto, uma emoção real de todas as formas, eu posso até estar equivocado, mas foi o que percebi. Ele brota durante o final uma angustia em nós no final, mas por tudo o que ele fez e falou, do que verdadeiramente pela forma de expressão. Mas, isso não tirou dele o mérito de uma interpretação tão delicada e inteligente.

Shailene Woodley Ansel Elgort Max Woff John Green

“O Elogio Fúnebre” 

De todas as cenas, esta jamais poderia faltar. Seja pela sua carga emocional, seja pela filosófica. Uma sequencia brilhante. Os três atores: Shailene Woodley, Ansel Elgort e Nat Wolff eternizaram a minha cena preferida do livro.  Fizeram dessa cena uma das mais marcantes. Um momento brilhantemente belo e trágico. Uma salva de palmas a John Green, por escrever esta cena tão incrível.

“Na Casa de Anne Frank”

Em cada degrau. Ver aquela cena foi muito simbólico. Ela é um marco tanto no livro quanto no cinema. Por tudo que ela representa. Por tudo que decorre depois dela e antes dela. Gostaria muito de parabenizar o diretor por esta sequencia tão bem produzida. 


Você sentiu falta de algo no filme?

É difícil explicar, porém vou falar como um amante da obra literária e de um admirador, agora, do filme. Gostaria de ter visto algo novo, uma surpresa. Isso de forma alguma tira qualquer brilho da produção, mas como um leitor (no sentido amplo da palavra), ver o filme com uma carga de fidelidade a qual nunca apreciei como este me fez falta uma surpresa. Apenas um detalhe muito pequeno no meio do oceano tão belo. 

Um dos maiores trunfos desta produção é o poder que ela tem de transmitir mensagens tão precisas e filosóficas para públicos de diversas faixas etárias. Tanto para o telespectador mais atento ao mais desatento e exagerado na falta de não querer se aprofundar na mensagem. É difícil entender como diversas pessoas restringem uma história com tanto a dizer a coisas tão frívolas. “A Culpa é das estrelas” sem dúvida alguma é um marco da literatura, no cinema e na vida de muitos.

Entre tantas coisas esta produção retrata a vida e morte de uma forma tão delicada, mas sem deixar de ser brutal/cruel. Para este humilde leitor e telespectador esta obra faz com que a vida possa ser valorizada sabendo que o fim dela é inevitável. Mas a forma como você vai vivê-la define tudo.

Se a culpa disso tudo é das estrelas cabe a cada um decidir?

The Fault of our stars

Por Jônatas Amaral

DIA DO ESTUDANTE AMAZON